top of page
  • Foto do escritorRafael Carneiro

Três Pilares para a Educação

A virtude, profundamente ancorada na filosofia clássica, é considerada, especialmente em Platão e Aristóteles, como uma qualidade moral positiva, uma estável disposição do caráter que encaminha para o bem, mediada pela razão.


Platão classificou as virtudes como cardinais, representando a estrutura fundamental de um caráter moral ideal: sabedoria, coragem, temperança e justiça. A sabedoria é o discernimento entre o bem e o mal; a coragem, a habilidade de enfrentar o medo em nome do bem; a temperança, o equilíbrio na contenção de desejos e impulsos; e a justiça é quando cada parte da alma executa sua função sem interferir em outras.


Indaga-se então: nossos métodos pedagógicos atuais promovem essas virtudes cardinais? É necessário refletir sobre o objetivo da educação. Enquanto alguns defendem que a educação deve equipar indivíduos para a sobrevivência, outros propõem metas que ultrapassam o aspecto técnico e prático.


Considerando a educação como uma ferramenta de formação integral, não podemos nos restringir ao ensino de habilidades técnicas ou práticas. É preciso promover a formação moral, ética e cívica, contribuindo para o desenvolvimento do caráter e personalidade dos alunos.


Se estamos todos buscando a felicidade, estamos ensinando as futuras gerações a fazê-lo? Ao focar somente na instrução, em detrimento da formação, adotamos uma abordagem tecnicista que promove a percepção de que devemos concentrar esforços na sobrevivência, não na busca pela felicidade.


Aristóteles defendeu que a vida virtuosa é essencial para a eudaimonia, traduzida como 'felicidade' ou 'bem-estar humano'. A virtude, em sua concepção, é um hábito equilibrado entre o excesso e a falta, guiado pela razão prática, fundamental para o desenvolvimento da inteligência emocional.


Portanto, a virtude, vista como uma consistente disposição para o bem, é um componente crucial na formação integral do indivíduo. Ao enfatizar a virtude, a educação vai além da mera transmissão de conhecimentos e habilidades, contribuindo para formar cidadãos conscientes, capazes de fazer escolhas morais e éticas sólidas, e potencialmente mais felizes.


Proponho uma análise baseada em três pilares fundamentais para promover as virtudes humanas por meio da educação, essenciais para a formação do indivíduo e sua busca pela felicidade. Não apresento uma nova teoria, mas uma interpretação da metodologia aplicada nas escolas de filosofia clássica, replicada na Nova Acrópole.


O primeiro pilar é a pedagogia do exemplo. A influência do comportamento dos educadores nos alunos é indiscutível. Professores são modelos, e as crianças tendem a imitar os comportamentos e atitudes dos adultos ao seu redor. Portanto, é crucial que os educadores manifestem em suas atitudes as virtudes que desejam cultivar nos estudantes. Se queremos ensinar coragem, devemos ser corajosos; se queremos ensinar temperança, devemos demonstrar equilíbrio em nossas escolhas.



mãe ensina filho


Ressalta-se que não é possível escolher quando somos exemplos ou não. As pessoas, particularmente crianças e adolescentes, são sensíveis à forma como vivemos, e se estamos de fato vivendo o que afirmamos. Muito do ceticismo existente hoje origina-se da máxima “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”.

 

Isso reflete nossa desconfiança em relação aos outros, mas também reforça a importância de ensinar pelo exemplo. Mahatma Gandhi, por exemplo, liderou pelo exemplo, seja na famosa Marcha do Sal ou ao fazer suas próprias roupas. Embora não sejamos todos Gandhi, podemos esforçar-nos para viver nossos valores e demonstrá-los às pessoas ao nosso redor.

Lembro-me da frase atribuída a Burke: "Para o mal triunfar, basta que os bons não façam nada". Assim, aqueles que acreditam nos ideais universais, como o Bem, a Justiça, a Beleza e a Verdade, devem agir como educadores e exemplos.


Reconhecer nossas falhas e ignorâncias é fundamental para um processo autêntico de crescimento e aprendizagem. No entanto, é igualmente importante demonstrar um compromisso ativo para tornar o mundo um lugar melhor, contrariando o ceticismo prevalente sobre a natureza humana. Observar e aprender com os exemplos positivos ao nosso redor pode nos inspirar a viver os ideais universais de forma mais plena e intensa, contribuindo para uma sociedade mais justa e solidária.


No cerne da filosofia em ação, encontra-se um segundo pilar que está intrinsecamente ligado ao primeiro: o engajamento em trabalho voluntário. Este conceito de servir ao próximo, desinteressadamente, desempenha um papel fulcral no desenvolvimento de uma gama de virtudes, contribuindo para a evolução do indivíduo como cidadão capaz de perceber e atender às necessidades de sua comunidade.


Adotar um sistema de educação que encoraje a participação dos estudantes em ações de solidariedade, que instigue a empatia e a humildade, fornece um aprendizado cujo valor ultrapassa os limites da sala de aula. Este tipo de experiência não só amplia o horizonte cognitivo do estudante como também molda seu caráter, pois contribui para o desenvolvimento de um forte senso de comunidade, responsabilidade social e consciência global.


A manifestação mais vívida do impacto do trabalho voluntário pode ser observada quando nos propomos a sair da zona de conforto e nos engajamos em experiências que nos confrontam com realidades diferentes da nossa. Seja ao interagir com comunidades carentes, ao se envolver com ações de apoio a pessoas em situação de vulnerabilidade ou ao colaborar em projetos de conscientização ambiental, o trabalho voluntário nos proporciona uma perspectiva nova sobre o nosso lugar no mundo e a importância do nosso papel nele.


Essas experiências proporcionam um ambiente de crescimento pessoal, pois nos ajudam a perceber que a realidade é mais ampla e diversa do que a nossa própria perspectiva. O entendimento de que somos parte de uma comunidade maior e que ela precisa da nossa contribuição ativa pode ser uma epifania transformadora. Além disso, o trabalho voluntário promove valores como autoconfiança e independência, ao fortalecer a noção de autoeficácia, a crença na nossa própria capacidade para influenciar os acontecimentos da vida.


Por fim, o trabalho voluntário não apenas beneficia aqueles que são ajudados, mas também tem um enorme potencial transformador para aqueles que ajudam. Ele nos ensina que, ao olharmos para além de nossas necessidades e desejos individuais, podemos descobrir uma beleza única na conexão com outros seres humanos e na contribuição para o bem comum.


A experiência de envolvimento com trabalho voluntário oferece uma valiosa percepção: a possibilidade de realizar muito com pouco. A verdadeira transformação do mundo não requer necessariamente o influxo de vastos recursos, mas sim a combinação de iniciativa, disposição e boa vontade.

criança voluntária plantando

Essa visão reflete a potência dos gestos simples e das ações locais em gerar ondas de mudanças que podem se expandir além das nossas esferas individuais de atuação, promovendo impactos globais. Este desdobramento ilustra a ideia do "efeito borboleta", onde uma pequena ação num determinado local pode desencadear uma cadeia de eventos que culmina em grandes transformações em outros lugares.


Este segundo pilar — a prática do voluntariado — se entrelaça intimamente com o primeiro, a pedagogia do exemplo. Ações altruístas têm um poderoso efeito multiplicador, pois os exemplos de Bem são contagiantes por natureza. Especialmente quando realizados sem esperar nada em troca, esses gestos nobres transmitem uma mensagem positiva que inspira e motiva outras pessoas a também agir em benefício do próximo.


Assim, a junção da pedagogia do exemplo com o trabalho voluntário cria um ciclo virtuoso de inspiração e ação. À medida que mais indivíduos se engajam neste ciclo, a potência de suas ações coletivas se amplia exponencialmente, transformando positivamente as comunidades e, por extensão, o mundo.


O terceiro e derradeiro pilar é a "Inspiração pela Beleza". Esta premissa se alicerça na visão platônica que compreende a Beleza como uma estância de inspiração para o Bem. Segundo Platão, a Beleza é uma extensão da bondade e detém o potencial de inspirar virtudes. Ao contemplarmos a beleza que se revela em diversas formas — seja em uma obra de arte significativa, uma melodia tocante ou uma obra literária profunda — somos instigados a refletir sobre as qualidades intrínsecas que tornam essas peças tão encantadoras e inspiradoras.


A inserção do estudo destas manifestações artísticas e literárias na educação proporciona aos aprendizes um conhecimento mais profundo e apurado sobre a estética e o valor simbólico das obras. Apreciação que, ao transcender a mera contemplação, permite que compreendam a beleza e a bondade como conceitos íntimos e complementares, instigando-os a buscar essas qualidades em suas próprias vidas.


As manifestações de beleza se apresentam como janelas para a alma humana, e por meio delas, somos capazes de perceber a expressão dos sentimentos, ideias e experiências mais intrincadas do ser humano. Estudar arte é, portanto, uma experiência de aprendizado única que pode servir como uma bússola moral e estética, orientando os indivíduos em sua busca por beleza, bondade e verdade.


Cada peça de arte ou literatura, cada composição musical, é uma expressão direta ou metafórica de uma perspectiva única sobre o mundo, concebida pela mente e sensibilidade de um artista. Ao proporcionar aos aprendizes a exposição a essas diferentes perspectivas, instigamos neles a empatia e a compreensão de diversas experiências humanas, promovendo uma apreciação mais profunda da diversidade.


A educação em nosso país apresenta um histórico limitado de ensino através da arte. Comparada com países do Leste Europeu, que possuem índices de desenvolvimento e econômicos semelhantes aos nossos, ou até mesmo que investem menos por aluno do que o Brasil (contrariando a percepção comum, o Brasil investe bastante em educação, porém os resultados são ainda insatisfatórios), percebemos que o Leste Europeu apresenta resultados significativamente superiores aos nossos.


Observo que em minha cidade, uma das maiores metrópoles do país, grande parte dos músicos de orquestras são do Leste Europeu. Isso levanta a questão: os brasileiros não têm habilidade para a música ou simplesmente não desenvolvemos essa habilidade desde cedo como eles?


Além disso, enfrentamos um fenômeno global onde a arte que promove os ideais de Beleza e do Bem, conforme ensinado por Platão, é frequentemente confundida com a simples produção cultural ou a indústria da música. Esta é uma discussão complexa e não se trata de desvalorizar um em detrimento do outro, mas de compreender o lugar de cada um.


As obras chamadas de clássicas ganham esta designação por resistirem ao teste do tempo, apresentando características atemporais e evocando valores universais. Elas são um testemunho duradouro dos ideais estéticos, filosóficos e éticos, contribuindo para a reflexão sobre a condição humana e o conceito de Beleza.


Paralelamente, existem obras que têm como objetivo primordial entreter, agradar ou veicular uma mensagem política. Embora essas obras também tenham seu lugar na cultura, elas podem não evocar a Beleza e o Bem no mesmo grau que a arte clássica, especificamente por estarem, muitas vezes, atreladas às demandas comerciais ou ideológicas efêmeras.


Inspirados pelo pensamento platônico, que concebia uma ordem harmoniosa e fundamental no universo, onde cada elemento tem seu lugar e propósito, podemos refletir se não estamos negligenciando a importância da educação através dos clássicos. Ao menosprezar a diferença entre uma música que evoca a Beleza e o Bem e aquelas criadas somente para agradar, podemos estar contribuindo para a falta de modelos inspiradores e de senso de finalidade que muitos jovens enfrentam atualmente.


Portanto, é importante valorizar a herança cultural dos clássicos e promover uma compreensão mais profunda dessas obras literárias e artísticas na educação. Somente então será possível oferecer aos jovens uma variedade rica e diversificada de referências para navegar através da complexidade do mundo contemporâneo, enquanto se inspiram a buscar a Beleza e o Bem em suas próprias vidas.


Unificando esses três pilares - ensinando pelo exemplo, realizando trabalho voluntário e buscando referenciais na Beleza e na arte - podemos propor uma abordagem educacional mais completa. Essa perspectiva não se limita a transmitir informações, mas se dedica a moldar caráteres, não apenas ensina habilidades, mas inspira a busca por virtudes.


A pedagogia do exemplo enfatiza que o comportamento do educador é uma ferramenta de aprendizado tão poderosa quanto as palavras. Os educadores, ao viverem os valores que ensinam, proporcionam aos alunos modelos tangíveis de virtude em ação.


O trabalho voluntário, por outro lado, oferece aos alunos a oportunidade de experimentar a solidariedade, a empatia e a humildade. Através dele, os alunos podem compreender que a realidade é maior do que o seu próprio mundo e que suas ações podem ter um impacto significativo na vida dos outros.


A inspiração pela Beleza, o terceiro pilar, apela para a sensibilidade artística e estética dos alunos. Através do estudo de obras clássicas, os alunos podem refletir sobre a beleza e a bondade inerentes a essas peças, inspirando-os a buscar esses valores em suas próprias vidas.


Essa abordagem educacional holística reconhece e celebra a complexidade humana, promovendo a busca individual e coletiva pela virtude, beleza e bem. Ao invés de preparar os alunos apenas para sobreviver em um mundo competitivo, essa abordagem os encoraja a se esforçar para melhorar o mundo ao seu redor, fornecendo-lhes as ferramentas para se tornarem cidadãos conscientes, éticos e realizados.

22 visualizações0 comentário
bottom of page